A logística nos tempos de Coronavírus

Por 26 de março de 2020junho 29th, 2020Melhoria Contínua
Logística nos tempos de coronavírus

No dia 26 de fevereiro era confirmado o primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, o estado de alerta presente em outros países com casos diagnosticados passou a fazer parte não só do cotidiano dos brasileiros, mas principalmente das grandes e pequenas empresas. De lá pra cá, uma série de medidas foram tomadas, a nível federal, estadual e municipal. Todos as áreas e setores, como da saúde, segurança e meios de comunicação se mobilizaram diante do que agora vemos como uma pandemia global. A logística nestes tempos de Coronavírus terá que se adaptar.

O vírus Covid-19 é de rápido contágio, principalmente em situações de aglomeração. Portanto, a primeira ação em massa foi a de isolamento social voluntário, passando a ser lei  a não abertura de instituições de ensino e estabelecimentos comerciais considerados não essenciais.

Como funcionará o mercado?

Os serviços básicos como farmácias, supermercados e padarias continuaram abertos, afinal, mesmo em isolamento as pessoas precisam de alimentos, de produtos de higiene e cuidado pessoal para sobreviverem.

E para que todos esses produtos estejam disponíveis aos consumidores, a cadeia de logística precisa estar funcionando. Atualmente, o Brasil ocupa o top 5 de maiores malhas rodoviárias do mundo e, consequentemente, o número de operações logísticas com grande quantidade de mercadorias por quilômetros rodado é elevado. 

Logística no cenário de crise

O sistema de logística, principalmente o de transporte rodoviário de cargas, é fundamental para o funcionamento da economia neste momento. Se esse setor para, é certo a declaração de calamidade pública, como aconteceu em 2018, ano em que o Brasil parou por dez dias devido a greve dos caminhoneiros. 

No entanto, apesar da crise e queda no fluxo de clientes no varejo, a crise provocou um aumento de compras por meio da internet, principalmente nas categorias de alimentos, bebidas, higiene e saúde.

O medo pela falta de mantimentos, fez com que a população corresse para os mercados deixando as prateleiras vazias, antes abarrotadas de itens como álcool em gel e papel higiênico. 

Desafios e tendências

Apesar da instabilidade e incertezas do momento, este é um cenário que oferece oportunidades únicas para as organizações do setor desenvolverem operações para atuar nos meios digitais. Mais do nunca, a necessidade de estar a frente, dominando o mercado virtual e adotando as características de uma Indústria 4.0, foi notada pelas empresas de todo o país.

A tecnologia como aliada

A busca pela indústria 4.0 na logística teve um crescimento considerável na última década, mas é neste momento em que o setor percebe a importância de processos de produção inteligentes por meio das tecnologias.

Dessa forma, a saída para o segmento logístico é aproveitar a tecnologia 4.0 a seu favor para melhor atender a demanda em tempos de crise, tornando seu serviço mais ágil e eficiente.

A tendência é a de que se invista cada vez mais em automatização aumentando a produtividade e tornando as operações cada vez mais eficientes. Entre as soluções que viabilizam esse novo cenário podemos citar:

Big Data: Geração de dados de transações financeiras por diferentes tipos de sensores e medidas, redes sociais e outras fontes que aumentam exponencialmente em termos de volume, variedade e velocidade.

Design e Customer Experience: Soluções baseadas na empatia com o consumidor e nos desejos e emoções das pessoas que irão usar o produto. Interligação entre valores humanos, tecnologia e negócios.

Internet das Coisas e M2M “máquina a máquina”: Tecnologias que permitirão que os objetos da vida cotidiana estejam conectados à internet e entre si, agindo de modo inteligente. Conexão de máquinas para máquinas e de máquinas com ferramentas, que permitirá um novo alcance de aplicações para melhorar a produtividade e aumentar a eficiência.

Realidade Ampliada ou Realidade Aumentada:  Permite que o usuário interaja com o mundo dentro da tela, mesmo estando fora dela. É um ambiente que envolve tanto realidade virtual como elementos do mundo real, criando um ambiente misto em tempo real.

Quantified Self:  Autoconhecimento por meio de números. Automonitoramento. Algoritmos criados para analisar de forma inteligente os números e transformá-los em informações que podem auxiliar nas tratativas de problemas e gestão de riscos.

Autenticação Biométrica: Tecnologias que medem e analisam as características do corpo humano, tais como impressões digitais, retinas e íris, padrões de voz e faciais e medições de mão, para fins de autenticação.

Observação: Muitas vezes ligadas ao incremento da segurança das informações, confidencialidade e compliance.

Machine Learning (médio prazo): O aprendizado de máquina (em inglês, machine learning) é um método de análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos. É um ramo da inteligência artificial baseado na ideia de que sistemas podem aprender com dados, identificar padrões e tomar decisões com o mínimo de intervenção humana. 

Inteligência Artificial: A inteligência artificial é um ramo de pesquisa da ciência da computação que busca, através de símbolos computacionais, construir mecanismos e/ou dispositivos que simulem a capacidade do ser humano de pensar, resolver problemas, ou seja, de ser inteligente. 


Perguntas inteligentes, escolhas eficientes

Diante dos desafios do momento, é preciso tomar as melhores decisões. É fundamental analisar os movimento da Logística 4.0 no cenário da crise, fazendo perguntas inteligentes: “Como o comportamento das pessoas e organizações podem mudar? Quais dessas mudanças continuarão após a crise e como elas afetarão sua organização?”. Para isso, uma boa gestão de riscos e de qualidade podem ser essenciais para definir o rumo de sua organização no mercado.

Leia o nosso artigo sobre a importância da Gestão de Risco em meio a pandemia do coronavírus e o que sua empresa pode fazer.

Por

Selina Rodrigues / Daniel Juliano