Sua indústria farmacêutica não pode cometer estes erros quando o assunto é qualidade.

Por 19 de março de 2019junho 10th, 2020Gestão da Qualidade
Indústria farmacêutica, erros e qualidade

No Brasil e no mundo todo, a indústria farmacêutica é um mercado que cresce a cada dia. O país está hoje em 6º lugar no ranking dos maiores mercados farmacêuticos do mundo. Só fica atrás da China, dos Estados Unidos, da Alemanha e do Japão. Até 2021, a perspectiva é que o Brasil figure entre os cinco principais mercados. Os dados são da Quintiles IMS Holdings.

Garantia de qualidade, um item fundamental para o sucesso

Tamanho crescimento só é possível porque o país mantém a competitividade e investe na qualidade dos produtos ofertados ao público consumidor. A garantia de qualidade, portanto, é item primordial para promover a padronização dos medicamentos, bem como para o próprio processo produtivo.
Ela está presente em todas as etapas da indústria farmacêutica. Por exemplo, desde a seleção da matéria-prima para a composição do medicamento até o momento em que o produto passa a estar disponível nas prateleiras das farmácias. A garantia de qualidade também aparece no atendimento ao cliente e, ainda, no próprio transporte dos remédios.

Áreas específicas da indústria farmacêutica garantem o controle

Para entender todo esse caminho percorrido para que determinado medicamente esteja disponível ao público final, é importante compreender que existem áreas específicas dentro do controle de qualidade, tais como:

  • Laboratório químico e físico;
  • Laboratório de macrobiologia;
  • Laboratório de controle tanto dos processos quanto das embalagens.O objetivo principal do controle de qualidade é diminuir as chances de erros. Os laboratórios de controle de qualidade química, física e macrobiológica são determinantes para estabelecerem os métodos de produção de um remédio e o seu registro junto aos órgãos reguladores.
    Já o controle dos processos e também da produção das embalagens estabelecem e monitoram quais as condições ideais sob as quais os remédios devem ser produzidos, a exemplo da qualidade da água, do ar, a higienização dos equipamentos de produção e até os solventes utilizados na produção. Tudo para que o medicamento não traga problemas para o consumidor final.

    Controle de qualidade também é responsável pelas vendas

    A preocupação com a qualidade dos remédios na indústria farmacêutica cresceu devido ao aumento de casos de produtos falsificados ou, até mesmo, alterados.
    Além disso, a ocorrência de falhas na própria fabricação é possível devido ao processo de produção ou aos métodos de preservação do medicamento. Nesse aspecto, o monitoramento se faz mais do que essencial, pois caberá ao controle ter registros e análises de todas os equívocos identificados.
    É também a área de controle de qualidade que reprova ou permite a venda de um determinado lote de medicamento. Portanto, trata-se de uma área que necessita de investimentos a cada tempo, isso porque as novas tecnologias impactam tanto no modo de produção quanto na própria venda.
    Alguns indicadores são cruciais para estabelecer esse controle e cabe aos setores específicos elencar quais são os mais indicados para os sistemas de qualidade.
    Nesse sentido, a indústria farmacêutica deve sempre estar atenta às novas normas estabelecidas. Nesse processo é imprescindível o trabalho conjunto entre os laboratórios e também a participação de acionistas e diretores interessados no tema.