A versão 5.1 da FSSC 22000 foi divulgada recentemente, no ano de 2020.  

Essa norma tem como base a ISO 22000, o Sistema de Gestão da Segurança Alimentar que estabelece quais são os requisitos para se produzir e distribuir alimentos seguros para o consumo. 

A ISO 22000 é uma legislação da Organização Internacional de Normalização (ISO), que tem como função combater os perigos durante a produção dos alimentos. 

O seu grande objetivo é a implementação de programas de monitoramento e de melhorias quanto a segurança dos alimentos em todos os âmbitos da cadeia de produção alimentar. 

É através das normas da ISO 22000 que são feitas as análises de pontos críticos e de perigo no controle da indústria alimentícia. 

A norma FSSC 22000 traz uma grande abordagem para a administração dos riscos na segurança na cadeia completa do fornecimento de alimentos.  

Nesse artigo, iremos falar sobre o que é a FSSC 2200, quais suas aplicações e principais benefícios, além da sua versão 5.1. Leia e saiba mais. 

Conceitos da FSSC 2200 

A versão 5.1 da FSSC 22000 demostra que precisamos agir rapidamente diante de novos cenários.  

Esta norma vem crescendo significativamente aqui no Brasil, com muitas empresas buscando a certificação neste esquema. Alguns fatos que reforçam a busca por ela são:  

Versão 5.1 da FSSC 22000

O que é FSSC 22000?

A FSSC 22000 é uma normatização que tem como foco a certificação em segurança de alimentos.

Que  integra o ISO 22000 e recebe o apoio da Confederação das Indústrias Alimentares da União Europeia (CIAA). Ela ainda tem a aprovação da Global Food Safety Initiative (GFSI).

Ela foi desenvolvida para colaborar com os sistemas de gestão de segurança para alimentos de consumo humano ou animal. A norma inclui ainda regras para o armazenamento e o transporte de alimentos.

A certificação aplica-se aos produtores de:

A FSSC 22000 reúne normas da Gestão de Segurança da ISO 22000 com exigências do Ponto Crítico de Controle (PCC), do Programa de Pré-Requisitos Operacionais (PPRO) e dos Programas de Pré-Requisitos (PRPs). 

Mas o que é PRP, PPRO e PCC? 

Benefícios da FSSC 22000 e da ISO 22000 

Os benefícios da ISO 22000 para uma empresa são: 

Já os da FSSC 22000 são:

A seguir, iremos mostrar quais foram as alterações trazidas pela Versão 5.1 da FSSC 22000: 

· Gestão de materiais adquiridos e serviços:

Este requisito recomenda que as empresas precisam ter procedimentos documentados para aquisição dos produtos em situações de emergência, para garantir que eles ainda estejam em conformidade com os requisitos especificados e se o fornecedor recebeu avaliação.

A empresa ainda precisa manter, implementar e estabelecer um processo constante de revisão de especificações dos produtos, garantindo a conformidade com a segurança dos alimentos, levando em consideração requisitos do cliente e legais.

As legislações sobre alimentos têm passado por grandes modificações nos últimos anos. Sendo assim, podemos salientar a revisão da legislação quanto aos perigos biológicos; 

· Rotulagem:

Nas vendas de empresas para empresas, onde na maioria das vezes os produtos não estão rotulados, as informações importantes precisam ser disponibilizadas para que se possa garantir o uso seguro do alimento; 

· Medidas para evitar contaminação cruzada e controle de perigo (categorias C &I):

Quanto a categoria I, a empresa precisa ter requisitos específicos caso a embalagem seja usada para fornecer ou transmitir efeito funcional para os alimentos.

Exemplo: extensão de validade. Já a categoria CI, a empresa precisa ter requisitos especificados para o processo de inspeção em evisceração, garantindo que o produto seja adequado para consumo humano. 

· Verificação dos pré-requisitos:

A empresa precisa manter, implementar e estabelecer uma rotina. As verificações de PPR/inspeções mensais do local para verificação se o ambiente de produção externo e interno e os equipamentos usados estão em condições adequadas que garantam a segurança dos alimentos.

A frequência e o conteúdo delas devem se basear no risco, usando critérios de amostragem definidos e que sejam vinculados às especificações técnicas mais importantes. 

· Desenvolvimento de produtos:

O procedimento deve ser mantido, implementado e estabelecido para os novos produtos e para as alterações nos processos de fabricação ou nos produtos, para dar garantia de uma produção segura e legal.

Esse é um requisito importante, porque deve se pensar nos riscos deste novo processo desde a concepção do produto. 

· Requisitos para empresas com certificações multi-site:

Deve garantir recursos suficientes e que requisitos, responsabilidades e funções sejam muito claros para os envolvido no SGSA, na gestão, pessoal técnico que faz a análise das auditorias internas e os auditores internos. 

Destaques da versão 5.1 

A grande novidade é que nos documentos de orientação, agora tem o Guia de Cultura de Segurança de Alimentos.  

O GFSI define cultura de segurança alimentar como “valores, crenças e normas compartilhados que afetam a mentalidade e o comportamento em relação à segurança alimentar em toda parte de uma organização.”  

O guia será um elemento de auditoria, e no compromisso da alta direção em estabelecer, implementar, manter e melhorar continuamente o Sistema de Gestão de Segurança Alimentar, serão introduzidos, no mínimo, os elementos: 

No guia, há algumas orientações de como os auditores farão a sua avaliação em relação aos requisitos da ISO 22000 e dos requisitos adicionais da FSSC 22000 atrelados à cultura de segurança de alimentos. 

Sobre o esquema da FSSC 22000

O Esquema consiste de seis Partes e dois Apêndices que estão incluídos neste documento.  

Além disso, existem sete Anexos. Todos estes documentos também contêm requisitos obrigatórios do Esquema.  

Por último, há dois documentos de orientação sobre diversos temas para fornecer um suporte adicional.  

Todos os documentos podem ser baixados gratuitamente a partir do website da FSSC 22000.  

Como o esquema é organizado 

PARTE 1 VISÃO GERAL DO ESQUEMA 

 Esta parte descreve o contexto e detalhes do Esquema, incluindo seus escopos de certificação.  

PARTE 2 REQUISITOS PARA AS ORGANIZAÇÕES A SEREM AUDITADAS 

 Esta parte descreve os requisitos do Esquema dos quais os Organismos Certificadores licenciados devem auditar o Sistema de Gestão de Segurança de Alimentos (SGSA) ou SGSA e o Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ) da organização a fim de obter ou manter a certificação para a FSSC 22000. 

PARTE 3 REQUISITOS PARA O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO 

 Esta parte descreve os requisitos para a execução do processo de certificação a ser conduzido por Organismos Certificadores licenciados.  

PARTE 4 REQUISITOS PARA OS ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO: 

 Esta parte descreve os requisitos para os Organismos de Certificação licenciados que oferecem os serviços de certificação do Esquema às organizações.  

PARTE 5 REGUISITOS PARA OS ORGANISMOS DE ACREDITAÇÃO:

Esta parte descreve os requisitos para os Organismos de Acreditação reconhecidos que oferecem serviços de acreditação aos Organismos de Certificação licenciados.  

PARTE 6 REQUISITOS PARA AS ORGANIZAÇÕES DE TREINAMENTO:

Esta parte descreve os requisitos para as Organizações de Treinamento (TOs) licenciadas que desejam fornecer cursos de treinamento aprovados do Esquema. 

Como se preparar para a transição 

Recomendamos que se prepare para o processo de transição o mais cedo possível, planejando-se adequadamente para incorporar as mudanças necessárias ao seu sistema de gestão.  

Os passos recomendados para a transição são: 

Dica importante manter as Boas Práticas de Fabricação-BPF para a Versão 5.1 da FSSC 22000

As Boas Práticas de Fabricação (BPF) são um aglomerado de ações definidas com o intuito de garantir a aplicação das condições básicas sanitárias por parte de todos os tipos de estabelecimentos que fazem parte, de alguma forma, da cadeia produtiva da indústria alimentícia.  

Essa cadeia produtiva é composta por distribuidores ou processadores e produtores primários.  

O principal foco dessas boas práticas é prevenir danos à saúde dos consumidores garantindo a inocuidade dos alimentos, conhecida também mais popularmente como “segurança de alimento”.  

As BPF são vistas como pré-requisitos fundamentais para implementar a ISO 22000 e servem de base para a Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (HACCP/APPCC).  

O principal objetivo das BPFs é assegurar que os requisitos de higiene essenciais sejam respeitados a fim de que o alimento que entra na casa das pessoas esteja a salvo de contaminações e, assim, a população tenha a sua saúde plenamente protegida. 

Para concluir sobre a Versão 5.1 da FSSC 22000

Este artigo tirou suas dúvidas sobre a versão 5.1 da FSSC 22000?

Entendemos que as mudanças podem ser um desafio, ainda mais para quem já estava com o todo o sistema rodando em harmonia.

Mas, como vimos no decorrer do texto as mudanças vieram para somar e acrescentar ainda melhorias nos processos.

Normalmente temos um certo “receio” com mudanças, é questão de se adaptar e aceitar que as mudanças podem ser boas, isso vale para a vida!

Agora, continue navegando em nosso blog e leia outros artigos interessantes.

Somos especialistas no atendimento automatizado de normas, regulamentações e leis de órgãos como ANVISA, ISO, MAPA, ONA, FDA, JCI, SASSMAQ etc. Acesse nossa página de demonstração e solicite também a apresentação de nossas soluções.

Jorge Pimenta

Copywriter, Coordenador de Marketing e Comunicação, em busca de um Brasil com mais qualidade #P1BMQ.

01.12.2021 | anvisa | Auditoria | Documentos e Registros | indústria farmacêutica | Melhoria Contínua

posts relacionados